Tag: vida

Quando achei que me encontrei, só queria me desencontrar.

Quando achei que me encontrei, só queria me desencontrar.

Eu juro. Juro mesmo que não queria escrever sobre isso. Eu juro que não queria falar de amor. Eu juro que não queria amar. Mas o amor não sai da minha cabeça. Eu sentei pra escrever e começou a tocar Temos nosso próprio tempo. Eu […]

Minhas únicas certezas são os nãos

Minhas únicas certezas são os nãos

Minha cabeça não consegue seguir um fluxo sobre como discorrer esse texto, é um assunto que ronda meus pensamentos há um tempo, mas é confuso, assim como meus pensamentos desde sempre. Mas, vamos lá, vou tentar explicar. Primeiro queria dizer que meu propósito é tocar […]

A moral da história dos bloqueios

A moral da história dos bloqueios

Amor. Estrada. Trabalho. Criativo. Sexo. Internet. Balada. Tristeza. Ligação. Ex-namorado. Prazer. Sabor. Sono. Dança. Remédio. Ciclovia. Cachoeira. Facebook. Alegria. Arte. Tragada. Viagem. Rua. Dinheiro. Gravidez. Olhar. Geração. Politico. Musical. Sorriso. Luz.

Bloqueio.

Por duas semanas bloqueei. Bloqueei para voltar a escrever. Bloqueei por uma pessoa completamente maluca que começou a me perseguir e bloqueei em tudo no mundo virtual e tava na missão (espero ter conseguido…pois isso é crime) de bloquear na vida real.

Quando a gente bloqueia, para tentar resolver ou não, é mais fácil dar nome aos bois. É bem mais simples dizer: “tô bloqueada porque fulano me ferrou”.

Nomear nossos bloqueios eleva um pouco mais o nível de análise daquele bloqueio em si. Por que bloqueei na balada? Por que bloqueei pra ficar com alguém? Por que bloqueei para escrever? Por que bloqueei na escada rolante do trabalho? Por que não consigo mais escutar aquela música que gosto tanto? Por que levei três meses para conseguir comer minha pizza preferida?

Pode ter sido algum filho da puta, doença, dinheiro ou trauma que me fez bloquear.

Bloqueios. Das mais variadas formas e cores.

Sou do tipo de pessoa que bloqueia fácil. No mundo virtual então nem se fale. No real, dependendo do caso, ainda travo. O bloqueio fica muito mais que visível, vira uma barreira, uma cara que só eu sei fazer e um tom de voz que até muda. Próximo passo: evito a situação X e meu muro só vai subindo.

Quando tinha uns 10 anos fazia aula de futebol e uma das meninas deu um chute que acertou meu estômago, levei pra vida, tinha CERTEZA que ela não gostava de mim. Nesse tempo mudei de escola, sai da cidade e um dia desses na balada contei para uma amiga nossa em comum, que contou para a artilheira porreta e ela disse que não se lembrava do ponta pé na boca do meu estômago. Entenderam né, amigos? Criei um bloqueio por uns 15 anos por NADA.

Aí vem minha pergunta: Como que alguém que “fodeu” nossa vida, tem o poder de criar bloqueio em nós?

Me bloqueio demais em relacionamentos amorosos, pelo meu histórico de dedo podre. Me bloqueio um pouco menos agora, mas ainda sim, para mostrar meus textos, porque um chefe falava que era um lixo. Também já bloqueie depois de 6 anos dirigindo porque uma mulher completamente errada bateu em mim. Me bloqueio na hora de postar self, porque já ouvi de várias pessoas que não sou nada fotogênica. Minha lista de bloqueios é um pouco grande e para todos os bloqueios tenho um nome e para outros até sobrenome e endereço.

Mas depois de algumas horinhas freudianas sempre vem à luz, né. E a luz pro bloqueio também veio. Quem bloqueia a porra toda sou eu e mais ninguém. Não é nem o louco da balada, a menina do futebol, o ex-namorado egoísta, o chefe bosta ou crush sem sal que nunca mais respondeu mensagem.

Aprendi/descobri, graças a minha psicóloga e um bloqueio que criei com ela, que se o bloqueio for só meu tem alguma coisinha que preciso resolver só comigo, tem algo de errado e vai precisar rolar uma conversar sincera de Mariana com Mariana.

Eu não podia deixar um cara x, completamente louco, que conheci na balada, me bloquear e me “impedir” de escrever no meu blog, ainda mais agora que tá ficando tão bonitinho. Minha lição de casa foi: ele é louco, tem Delegacia da Mulher e outras coisas para esse e outros tipos de casos e a energia dele é pesadíssima que não tem nem cabimento interferir na minha. Mas eu estava culpando ele pela minha desmotivação, uma pessoa que nem conheço.

Agora, caso o bloqueio puder ser colocado e debatido na mesa com o “causador” de fato, maravilhoso! Ao invés de fechar mais uma porta, vai acabar com mais uma nóia que a gente cria na nossa cabeça.  A real é que os bloqueios só travam a gente e mais ninguém, interferem em nossas rel(ações), e um simples bloqueio vira uma trava, cria barreira, fecha garganta e afasta pessoas.

Moral da história para os bloqueios: Transparência.

Todas as ilustrações são da Henn Kim.

 

Ode à depressão

Ode à depressão

A proposta do meu blog é publicar uma vez por semana e espero do fundo do meu coração conseguir isso. Com meu primeiro texto, tive um retorno muito especial. E minha proposta aqui é falar sobre muitos assuntos, mas não adianta fugir, não adianta eu […]