Declaração de amor em tempos de relações líquidas

Declaração de amor em tempos de relações líquidas

Você sabe que eu adoro falar de signos, mesmo seu vênus dizendo o contrário sobre você. Falando em astros, minha constelação preferida se tornou as pintas do seu corpo, já te disse isso, mas vou falar de novo, sou apaixonada pela pinta da sua testa e me perco no tempo enquanto faço carinho nas suas costas e me distraio com sua sequência das 3 marias, sendo que a pinta do meio é a mais alta.

Seu jeito casca grossa não é um charme, aliás me irritava muito quando você dizia isso. Seu charme é quando você procura o naridrin sem parar, batendo a mão no bolso da calça porque tá começando a ficar sem ar. Outra coisa que gosto em você é como segura o cigarro, me lembra o jeito que segurava meu corpo.

Pensei em escrever sobre como te dei amor e não recebi, onde posso ter errado por você ter mudado comigo do nada ou descobrir o motivo de você não querer estar ao meu lado. Mas hoje eu acordei com tanta saudade, foi tão pouco tempo do seu lado que prefiro lembrar de você chegando na minha casa, e como a vaga do meu carro foi feita pra nós dois.

Ou seu sorriso quando comeu suas comidas preferidas, lembro perfeitamente. E o jeito de segurar minha mão não importa se era na balada ou em uma rua com monte de gente.

Eu podia ficar triste por saber que nada disso vai acontecer de novo, mas estou indo dormir com tanta saudade. Então prefiro lembrar de como fiquei nervosa a primeira vez que te vi e você ria sempre dessa história. Ou das noites que ficamos assistindo cartoon e bebendo cerveja.

Ou o quanto me fazia bem suas selfies de careta do nada no meio do dia. Por mais que eu saiba que nada disso vai voltar a acontecer, gosto de lembrar das nossas despedidas – olha que eu odeio despedidas, mas nossos poucos beijos de tchau me deixavam confortável e com a sensação que ia te ver de novo, e já ficava com saudade mesmo sem ter ido. Seu beijo de despedida era diferente dos outros.

Essa saudade me fez lembrar o dia que me apaixonei por você, tenho uma foto no meu celular, estava de camisa xadrez azul e sem boné. Não canso de olhar. E foi nesse dia também que cuidei de você, com uma febre de 40 graus. Me desculpe, mas a melhor recompensa por ter cuidado de alguém foi o bilhete que você deixou no meu mural.

Eu não tenho coragem de jogar fora, mas tirei de lá e olho as vezes, assim como sua escova de dente amarela que faz eu tanto pensar na vida, mas não tenho coragem de jogar fora também.

Se fosse pra falar de saudade, eu preferia não falar…


%d blogueiros gostam disto: