Defina a palavra embuste

Defina a palavra embuste

Esse não era o texto ideal para começar o ano, mas era a ideia para ter fechado 2017. Definir a palavra embuste é definir um dos pontos altos do meu 2017.

Embuste foi a palavra da moda (triste), preferia empoderada em 2016. Mas enfim, além de ser a palavra da moda, senti que tem sido a atitude da moda também.

Embuste nada mais é que boy lixo (termo da modinha também, mas explica bem). Fui fazer uma recapitulação do meu 2017 no capítulo relacionamento amoroso, conclusão: só deu embuste, boy lixo e cara babaca.

Já disse aqui que achava que tinha o dedo podre, depois de conselhos de amigas mudei a percepção, não é dedo podre, só não achei pessoas muito legais, que não eram pra ser, vibração diferente e aí por diante.

Ano passado apareceu de tudo, tive certeza que tinder é sinônimo de cilada. Balada às vezes também e local de trabalho idem. Ou seja, todo canto tem gente sem noção. Em contrapartida, graças as deusas, todo canto também tem gente boa!

A questão é: pensei que a maré não tinha sido boa em 2017, mas daí fui fazer uma recapitulação da vida mesmo, voltemos quinze anos atrás, no meu primeiro beijo. Realmente, não dei sorte. Junta meus três ex’s não vale um saco de pipoca murcha, e rolinhos/contatinhos/paqueras/afins piorou.

Então, os embustes existem desde que o mundo é mundo. E desde que eu me conheço por gente.

Nada mais é do que seres humanos egoístas, machistas, mimados, agressivos, ferrados emocionalmente, mentirosos, maldosos, egocêntrico ou todas as alternativas anteriores. E não, não sou uma pessoa frustrada e que não tem fé no amor (já disseram isso pra mim e sou o oposto disso – se tem algo que acredito é no amor). Mas é a realidade, pelo menos a minha e da maioria das minhas amigas: estamos rodeadas de caras babacas. S-O-C-O-R-R-O!

A gente sofre pra encontrar colegas de trabalho bacanas, chefes que respeitem, amigos pra todas as horas, familiares firmeza e desconhecido com empatia. Pra encontrar um companheiro então… o negócio é muuuito mais embaixo, vem um combo aí e um combo de ambos dos lados (bem redundante mesmo), a convivência leva as situações para o level hard.

Por isso, eu nem me importo com os embustes que tropeço por aí, dou graças por me livrar, de não perder muito tempo de vida ali e… pegar ranço (outra da modinha), desse jeito seguimos com o faro apurado, sabendo para onde desviar e tendo uma única certeza, existem pessoas decentes nesse mundo. amém!

Ilustração: Andrea De Santis



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


%d blogueiros gostam disto: